Buscar

Quarta 13 Setembro 2017

Noticias Urgentes

26/05/2015 10:01

Sadi Buzanelo

Líderes falam o que não sabem!

 

Na mesma semana duas bobagens na boca de quem deveria dar melhor exemplo. Na Câmara de Foz do Iguaçu, pelo Vereador Vitorassi e em SP, pelo ex-presidente Lula. Ambas estão nas redes sociais. Eles mechem com a crença e os ritos religiosos, garantidos na CF de 1988.

Abordar, por exemplo, um tema de extrema complexidade como o da religião, as crenças e a fé das pessoas, é preciso maior conhecimento dos fatos e não apenas dos 'boatos'. Conseguimos visualizar que até hoje, após alguma evolução ocorrida na sociedade e em suas leis, que, ainda há uma grande distância a ser percorrida entre a sociedade atual e a sociedade esperada e fundada na Constituição Federal de 1988.

“Sou e sempre serei defensor da lei e da ordem e neste sentido vivemos num ‘País Laico’, mas é preciso cobrar responsabilidade de líderes (em todas as áreas) quando falam sobre religião, cultos e crenças de uma sociedade”.

É imenso o rol de questões para quais os traços da religiosidade humana trazem implicações, as mais diversas, no comportamento social dos grupos religiosos e de seus componentes, individualmente.

Como sabemos a “liberdade religiosa (de crença e de culto) integra o rol dos direitos humanos fundamentais e, no ordenamento jurídico brasileiro, encontra-se assegurada pelo inciso VI, do art. 5°, da Constituição Federal”

Esses incisos garantem, não apenas, mas a liberdade de manifestação do pensamento, como também asseguram a inviolabilidade da liberdade de consciência e de crença, do que decorre o livre exercício de culto religioso e a proteção dos locais de culto e suas liturgias. Esse direito constitui cláusula pétrea.

O que o preceito constitucional garante no Brasil é a liberdade de crença e de culto, logo, não se há de questionar, muito menos afrontar, o conteúdo doutrinário ou litúrgico de cada credo.

“Pelo prisma da tolerância devemos esquecer as falas, mas olhando pela lente dos direitos humanos, respeito às pessoas e suas crenças, nota ‘zero’ para o nobre edil e o ilustre EX. Vitorassi teve a oportunidade de ficar quieto e agradar cristãos e os adeptos do movimento LGTB. Falou demais e perde pontos (digo votos) em ambos os lados”. Na mesma semana, duas falas 'equivocadas', uma local outra nacional.

A resposta virá, de baixo e também de cima!

SADI BUZANELO é teólogo, pedagogo e jornalista em Foz do Iguaçu-PR

Comentários

Comentar

{ Últimas Colunas

©2010-2011 - A Fronteira - Todos os direitos reservados.