Buscar

Terça 08 Agosto 2017

Noticias Urgentes

25/11/2012 00:00

Sadi Buzanelo

Natal para a glória do filho do homem

Nesta época do ano é comum para muitos venerar o ‘papai-noel’.  Na verdade devemos como pais, educadores e especialmente como bons cristãos Adorar o ‘papai-do-céu’, e incutir isso na mente dos nossos filhos, prioritariamente as crianças. A razão única da celebração do natal (sabemos que não foi em dezembro que Jesus Cristo nasceu) é a vinda ao mundo, em forma de homem, do Filho do Deus Eterno.

O Profeta Isaias foi usado por Deus para anunciar o Salvador da Humanidade. Este deve ser o foco nas celebrações do natal, não apenas presentes matérias e comes&bebes.

Vejamos: “Pois já nasceu uma criança, Deus nos mandou um menino que será o nosso rei. Ele será chamado de “Conselheiro Maravilhoso”, “Deus Poderoso”, “Pai Eterno”, “Príncipe da Paz”. Ele será descendente do rei Davi; o seu poder como rei crescerá, e haverá paz em todo o seu reino. As bases do seu governo serão a justiça e o direito, desde o começo e para sempre. No seu grande amor, o SENHOR Todo-Poderoso fará com que tudo isso aconteça”. (Isaias 9:6-7)

E Jesus, nasce de Maria, ótima mãe e respeitosa serva do Senhor, e o Filho cumpre na terra sua missão: destruir o pecado (Satanás) e nos oferece um ‘passaporte’ para a vida terna (Salvação).

Como sabemos disso? O próprio Isaias (53:1-12, leia todo este capitulo) nos faz recordar: “No entanto, era o nosso sofrimento que ele estava carregando, era a nossa dor que ele estava suportando. E nós pensávamos que era por causa das suas próprias culpas que Deus o estava castigando, que Deus o estava maltratando e ferindo... Porém ele estava sofrendo por causa dos nossos pecados, estava sendo castigado por causa das nossas maldades. Nós somos curados pelo castigo que ele sofreu, somos sarados pelos ferimentos que ele recebeu... Todos nós éramos como ovelhas que se haviam perdido; cada um de nós seguia o seu próprio caminho. Mas o SENHOR castigou o seu servo; fez com que ele sofresse o castigo que nós merecíamos... “Ele foi maltratado, mas agüentou tudo humildemente e não disse uma só palavra. Ficou calado como um cordeiro que vai ser morto, como uma ovelha quando cortam a sua lã. Foi preso, condenado e levado para ser morto, e ninguém se importou com o que ia acontecer com ele. Ele foi expulso do mundo dos vivos, foi morto por causa dos pecados do nosso povo. Depois de tanto sofrimento... Por isso, eu lhe darei um lugar de honra; ele receberá a sua recompensa junto com os grandes e os poderosos. Pois ele deu a sua própria vida e foi tratado como se fosse um criminoso. Ele levou a culpa dos pecados de muitos e orou pedindo que eles fossem perdoados”.

Na verdade o NATAL deve ser visto com outras lentes, com outro olhar: nascimento de Cristo é fato, vida de Jesus é verdadeiro, mas especialmente a Vitória do Filho do Homem na Cruz do Calvário e o anúncio da sua segunda vinda entre nós; a volta do Senhor.

Comunhão sim. Troca de presentes sim. Confraternização em família também. Mas isso não é tudo! Celebre o amor de Cristo Jesus por toda a humanidade. Seus braços sempre abertos para receber a todos que o busquem integralmente.

Natal é festa no céu, pois Cristo está no Trono do PAI. È festa na terra, pois os seguidores de Jesus sabem que ELE virá buscar o seu povo. Creia esta será a maior ‘notícia’ em todo o mundo. Acredite este é o maior advento depois do nascimento de Jesus Cristo, o Filho do Deus. Hoje ELE está vivo, portanto, deixe-o entrar em seu coração ‘morto’. Este é o ‘melhor presente’ de natal.

Que neste dias, sua mente, seu coração, sua casa e sua família estejam cheios de amor, mais que presentes. Que sua vida possa ser outra, semelhante ao que o Apostolo Paulo nos descreve tão claramente em 1ª Carta aos Coríntios 13, que fala do verdadeiro amor, fala de Cristo Jesus, o amor que tomou forma e viveu entre nós.

Vejamos: “Eu poderia falar todas as línguas que são faladas na terra e até no céu, mas, se não tivesse amor, as minhas palavras seriam como o som de um gongo ou como o barulho de um sino. Poderia ter o dom de anunciar mensagens de Deus, ter todo o conhecimento, entender todos os segredos e ter tanta fé, que até poderia tirar as montanhas do seu lugar, mas, se não tivesse amor, eu não seria nada. Poderia dar tudo o que tenho e até mesmo entregar o meu corpo para ser queimado, mas, se eu não tivesse amor, isso não me adiantaria nada. Quem ama é paciente e bondoso. Quem ama não é ciumento, nem orgulhoso, nem vaidoso. Quem ama não é grosseiro nem egoísta; não fica irritado, nem guarda mágoas. Quem ama não fica alegre quando alguém faz uma coisa errada, mas se alegra quando alguém faz o que é certo. Quem ama nunca desiste, porém suporta tudo com fé, esperança e paciência. O amor é eterno. Existem mensagens espirituais, porém elas durarão pouco. Existe o dom de falar em línguas estranhas, mas acabará logo. Existe o conhecimento, mas também terminará. Pois os nossos dons de conhecimento e as nossas mensagens espirituais são imperfeitos. Mas, quando vier o que é perfeito, então o que é imperfeito desaparecerá. Quando eu era criança, falava como criança, sentia como criança e pensava como criança. Agora que sou adulto, parei de agir como criança. O que agora vemos é como uma imagem imperfeita num espelho embaçado, mas depois veremos face a face. Agora o meu conhecimento é imperfeito, mas depois conhecerei perfeitamente, assim como sou conhecido por Deus. Portanto, agora existem estas três coisas: a fé, a esperança e o amor. Porém a maior delas é o amor. Ou seja, sem AMOR, sem Cristo Jesus é apenas uma ‘casca religiosa’.

Falar do natal, sem conhecer o Amor incondicional de Cristo é apenas compra de presentes, festa religiosa e até consumismo. E tudo isso é muito superficial.

Vivamos o ‘dom’ maior, que é o AMOR e este tem nome e sobrenome: JESUS CRISTO, o SENHOR!      Boas-Festas, com ELE no coração de fato.

 

•             Sadi Buzanelo é pastor da Igreja do Nazareno em Foz, atual Presidente do COPEFI. Graduado em teologia, pedagogia e jornalismo.

e-mail: sadibuza@ig.com.br

 

Comentários

Comentar

{ Últimas Participações

©2010-2011 - A Fronteira - Todos os direitos reservados.